dd/mm/aaaa



O Terno

Em época em que os discos são fatiados single por single em lançamentos, O Terno solta um trabalho único em unidade temática que precisa ser observado por variados ângulos. “<atrás/além>” é uma obra para ser escutada com atenção, lida como um livro, assistida como um filme e vista como um quadro. Tanto quanto um release, este texto serve para colocar em palavras a dimensão artística que o grupo paulistano alcançou em seu quarto disco, com arranjos orquestrais mais refinados e grandiosos do que nos trabalhos anteriores, alcançando uma música que escorre para todos os lados. Isto é, ultrapassa fronteiras esperadas e conhecidas, seja de jazz, indie, MPB, música erudita ou rock. O som, assim, torna-se universal, dentro de todo espectro de possibilidades do pop, com produção, arranjos, mixagem e, claro, composição sob a assinatura de Tim Bernardes.

Enquanto o primeiro disco, “66” (2012), representava muito d’O Terno vestido de terninho sixtie, o segundo – “O Terno” (2014) – traçava curva mais psicodélica e o anterior – “Melhor do que Parece” (2016) – resvalava no Tropicalismo e MPB, em “<atrás/além>” a orquestração, os arranjos apurados, os metais e cordas fazem com que muitas vezes o trio soe mais como grupo de apoio do que protagonista. E isso é bom. Pois a música fala mais alto do que a guitarra e vocal de Tim Bernardes, o baixo de Guilherme d'Almeida e/ou a bateria de Biel Basile.

“É uma tentativa de expansão e não ficar preso a uma fórmula. Algo como ‘não vamos nos prender a sermos um power trio; estamos ali mais como um grupo, produzindo música num sentido mais livre e solto’”, diz Tim.

A unidade temática e conceitual traduz-se igualmente em textos (letras) e harmonia na sequência de 12 belas canções, resultando em conjunção de tudo o que o grupo fez e foi até aqui. Daí a sugestão de se encarar como uma experiência literária ou um filme a ser assistido. Se nos discos anteriores as músicas se sustentavam em unidades individuais, neste “<atrás/além>” esse consumo em fatias é igualmente possível. Mas a receita faz todo o sentido quando seguida da música 1 à 12, que chegam também na versão de vinil duplo com três canções por lado.

 

SERVIÇO

O Terno

Quando: 23 de agosto de 2019 (sexta-feira), 20h

Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves

Quanto:

R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia), das filas A a P

R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia), das filas Q a Z6

R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia), das filas Z7 a Z11

Classificação indicativa: Livre

 

VENDAS

Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Castro Alves, nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista ou pelos canais da Ingresso Rápido. Acesse página de vendas em http://site.ingressorapido.com.br/tca.

 

MEIA ENTRADA

A concessão da meia-entrada é assegurada em 40% do total dos ingressos disponíveis para o evento.

Estejam atentos! O Teatro Castro Alves cumpre a Lei Federal 12.933 de 29/12/2013, que determina que a comprovação do benefício de meia-entrada é obrigatória para aqueles que gozam deste direito. Estudantes devem apresentar a Carteira de Identificação Estudantil (CIE), não sendo aceitos outros documentos.

Data: 23/08/2019

Teatro Castro Alves - Praça Dois de Julho,s/n, Campo Grande, CEP 40080-121 - Salvador - Bahia - Brasil Telefone: (71) 4000-1139