dd/mm/aaaa



Paulinho da Viola encontra Marisa Monte

Foto: Leo Aversa

Histórico acontecimento da música brasileira que mobilizou o público no primeiro semestre deste ano de 2017, o reencontro de Paulinho da Viola com Marisa Monte em show inédito passa essencialmente pela nobreza do samba. Ambos são naturais do Rio de Janeiro (RJ), estão envolvidos com o passado glorioso da Portela, pioneira agremiação carnavalesca carioca que gerou alguns dos maiores bambas do Brasil, e são cantores, compositores e músicos que interpretam, fazem e tocam samba, entre outros ritmos. Sucesso unânime de crítica, o show Paulinho da Viola encontra Marisa Monte voltará à cena de setembro a novembro, ganhando mais dez apresentações em oito capitais do Brasil para atender à intensa demanda do público. Em Salvador, o show será no dia 22 de outubro, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves.

A cumplicidade entre os artistas em cena é fruto tanto da admiração recíproca entre eles quanto da ligação genuína com o samba. “Estar com o Paulinho é como encontrar a alma do samba”, resume Marisa, que completa 30 anos de carreira em 2017. “Para mim, também é muito prazeroso compartilhar essa experiência. O canto de Marisa faz parte de minha memória musical”, ressalta Paulinho, referência no universo do samba e do choro desde a década de 1960.

A afinidade entre ambos vem de longa data. Marisa e Paulinho já haviam dividido o palco em um festival em 1993, um ano antes de a cantora gravar pela primeira vez uma música do compositor – no caso, “Dança da solidão”. A composição, que batizou álbum de Paulinho em 1972, ganhou a voz da intérprete em antológica gravação feita com a participação de Gilberto Gil para o CD “Verde, anil, amarelo, cor-de-rosa e carvão” (1994). Em 2000, Marisa registraria no álbum “Memórias, crônicas e declarações de amor” (2000) outro samba de Paulinho, “Para ver as meninas” (1971).

As duas composições estão no roteiro do show, ao lado de títulos do cancioneiro da própria Marisa que giram ao redor do universo do samba, casos de “Carnavália” (Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, 2002) e “De mais ninguém” (Marisa Monte e Arnaldo Antunes, 1994). Contudo, se existe um eixo no qual o roteiro se sustenta, além da obra de Paulinho, é o samba produzido pelos compositores da Velha Guarda da Portela.

Esse universo musical, de riqueza melódica e poética, soa íntimo para os cantores. Paulinho frequenta a escola desde os anos 1960 e é, ele mesmo, lenda viva da azul e branco, situada na fronteira entre os bairros de Madureira e Oswaldo Cruz, na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Marisa é filha de Carlos Monte, um dos diretores que gerenciaram a agremiação, e bebeu tanto nessa fonte límpida de inspiração que produziu e editou em 2000, por seu selo Phonomotor, um álbum com composições dos bambas da Velha Guarda da escola, “Tudo azul”, disco descendente da linhagem nobre do histórico LP “Portela, passado de glória”, produzido em 1970 por Paulinho da Viola para registrar sambas que corriam o risco de se perderem na tradição oral passada de geração para geração. Não por acaso, antes que os artistas entrem em cena para iniciar a apresentação propriamente dita, o show começa com a reprodução, com som de vinil, desse álbum “Portela, passado de glória”.

 

SERVIÇO

Paulinho da Viola encontra Marisa Monte

Quando: 22 de outubro (domingo), 19h

Onde: Concha Acústica do Teatro Castro Alves

Quanto: 

Arquibancada: R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia)

Camarote: R$ 280 (inteira) e R$ 140 (meia)

Classificação: 14 anos

Realização: TIME FOR FUN

 

VENDAS

Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Castro Alves, nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista ou pelo site www.ingressorapido.com.br, a partir das 10h da manhã do dia 14 de agosto de 2017.

 

MEIA ENTRADA

A concessão da meia-entrada é assegurada em 40% do total dos ingressos disponíveis para o evento.

SETOR ARQUIBANCADA - 4.300 ingressos à venda, sendo 2.580 inteiras e 1.720 meias. 

SETOR CAMAROTE - 200 ingressos à venda, sendo 120 inteiras e 80 meias.

Estejam atentos! O Teatro Castro Alves cumpre a Lei Federal 12.933 de 29/12/2013, que determina que a comprovação do benefício de meia-entrada é obrigatória para aqueles que gozam deste direito. Estudantes devem apresentar a Carteira de Identificação Estudantil (CIE), não sendo aceitos outros documentos.

Data: 22/10/2017

Teatro Castro Alves - Praça Dois de Julho,s/n, Campo Grande, CEP 40080-121 - Salvador - Bahia - Brasil Telefone: (71) 3003-0595